Artigo

INFLUÊNCIA DO ESTRESSE E DA ESTIMULAÇÃO TÁTIL MATERNAL SOBRE O DESEMPENHO E COMPORTAMENTO DA PROLE DE COELHOS NOVA ZELÂNDIA - 2

SANTOS, Gustavo Proenca dos1; BORGES, Tâmara Duarte3; COSTA, Leandro Batista3; BORGES, Tamara Duarte2;

Resumo

Introdução:A sociedade demanda cada vez mais uma atuação humanitária para com os animais. Este cuidado animal, muitas das vezes está diretamente relacionado ao curso de medicina veterinária. Focando nesta abordagem é que foi realizado o PIBIC Jr. que consistiu em duas etapas principais: 1) acompanhamento de projeto de pesquisa em bem-estar de coelhos e 2) auxílio em coleta de dados sobre o ensino da medicina veterinária no Brasil.

Objetivo:O presente relatório de pesquisa visa detalhar as atividades realizadas durante os dois semestres do PIBIC Jr. 2016-2017, demonstrando a importância de se conectar ensino médio, graduação e pós-graduação.

Metodologia:No semestre de 2016, foi realizado o acompanhamento da parte experimental do projeto de iniciação científica intitulado: “Influência do estresse e da estimulação tátil maternal sobre o desempenho e comportamento da prole de coelhos Nova Zelândia”. Esta experiência proporcionou ao aluno um primeiro contato com a pesquisa científica além de se tornar a oportunidade de integrá-lo ao grupo. No semestre de 2017, o aluno pode realizar atividades de coleta e análise de dados bem como participar da redação de um resumo expandido. O objetivo específico deste trabalho foi traçar um perfil do ensino de medicina veterinária brasileira em relação às disciplinas de Bem-estar Animal (BEA), Etologia (ETO) e Bioética (BIO). O método utilizado foi análise de grades curriculares disponíveis online, das universidades cadastradas no sítio do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV).

Resultados:Encontrou-se 192 instituições cadastradas, das quais 28 não possuíam informações quanto à grade curricular. Assim, no total, 164 universidades foram avaliadas. Destas, 104 (63,41%) possuíam a disciplina de BEA, sendo 71% obrigatórias, administradas principalmente (58%) no ensino básico (1° ao 5° período), com carga horária média de 43,77 ± 1,92h. A disciplina de ETO era presente somente em 47 (28,65%) universidades, com caráter obrigatório (62%) e carga horária média 45,87 ± 2,85h, sendo também principalmente (21,27%) ofertada no 1° período. A disciplina de BIO foi encontrada nas grades curriculares de 111 (67,68%) instituições, possuindo caráter obrigatório (76,57%), carga horária média de 41,45 ± 2,97 e o 1° (24,32%) e o 9° (18,91%) período apresentando principal oferta.

Conclusões:Conclui-se que o ensino brasileiro de medicina veterinária concentra a disciplina de BEA principalmente nos primeiros períodos do curso, ficando evidente uma carência na oferta de disciplinas de ETO, e, embora a disciplinas de BIO estejam presente com maior frequência nos cursos, há uma ampla dispersão no período de oferta.

Palavras-chave:Ensino de medicina veterinária. Disciplinas. Currículo.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador