Artigo

CONTAGEM DE BACTÉRIAS AERÓBICAS MESÓFILAS BOLORES E LEVEDURAS EM EMBUTIDOS CÁRNEOS

SANTOS, Maria Eduada Dos1; LIMA, Vanessa Yuri De2;

Resumo

Introdução:O salame é um produto cárneo industrializado obtido de carnes bovinas e suínas, adicionadas de toicinho, ingredientes, embutidos em envoltórios naturais ou artificiais, curado, fermentado, maturado, defumado ou não. Este é um dos principais produtos comercializados em feiras livres e podem ser facilmente contaminados por microrganismos durante a manipulação e o processamento, podendo ser produzido artesanalmente em indústrias de pequeno porte como também no próprio domicílio. Quando exposto às condições inadequadas, sofrem multiplicações de microrganismos, podendo ocasionar toxinfecções alimentares, por isso torna-se de grande importância à inspeção desses produtos.

Objetivo:Identificar os microrganismos de embutidos cárneos comercializados em feiras livres de municípios da região oeste do Paraná.

Metodologia:Foi adquirido em feira livre do Município de Toledo/PR, cinco amostras de salames de diferentes produtores artesanais. Estas amostras foram levadas ao laboratório de Microbiologia da PUCPR Campus Toledo para realização da pesquisa micológica para observação de crescimento fúngico. Materias utilizados: Água, gral e pistilo, placa de petri, pinça, tesoura e swab, tudo estéreo. As marcas de salames utilizados foram: Samolle, Martelo, Schaedler, Vazaro e Sabor do oeste. 1-Todos os materiais autoclavados foram colocados na câmara de fluxo laminar, onde ficaram em contato com a luz ultravioleta por 15 minutos; 2- Após as amostras de salame foram cortadas utilizando-se um pequeno pedaço do meio do salame, estes foram acondicionados no gral, cada amostra foi realizada separadamente; 3- Junto a essas amostras foi adicionado água destilada estéreo, e com o pistilo o salame foi amassado até ficar com consistência pastosa; 4- Com um swab estéreo coletou-se a amostra, já pastosa, e cultivou-a em ágar Sabouraud, de forma a desenhar estrias ao longo da placa de cultivo; 5- Um fragmento do salame pastoso foi colocado no meio de cultivoi, está que foi identificada em sua tampa, com o nome da marca do salame e a data do cultivo; 6- As placas cultivadas foram acondicionadas nas estufas onde ficaram aproximadamente sete dias em uma temperatura entre 26 e 28 ?C. Cuidados ao fazer os meios: - Todos os materias estavam autoclavados - Os materias sempre foram manuseados com EPI, dentro da câmara de fluxo laminar.

Resultados:Através da utilização do cultivo micológico e identificação microscópica por meio da coloração de Gram, foi possível identificar que as marcas Vezaro, Sabor do Oeste, Samolle, cresceu de forma abundante leveduras. Enquanto as marcas Martelo e Schaedler houve um pequeno crescimento de bolor.

Conclusões:Com a utilização do diagnóstico microbiológico, cultivo em ágar Sabouraud, observação macroscópica e microscópica por meio da coloração de Gram, foi possível identificar as leveduras, que se coram e são consideradas Gram-positivas.

Palavras-chave:Salame. Feira livre. Colonial.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador