Artigo

UM ESTUDO SOBRE OPTICAL MUSIC RECOGNITION

Valenga, Erick Luiz Fontoura1; CARVILHE, Claudio3; MENGARELLI, Luciano3; JUNIOR, Carlos Nascimento Silla2;

Resumo

Introdução:A pesquisa consiste no estudo, teste e análise de um método de reconhecimento óptico de partituras musicais chamado de “Opitcal Music Recognition” (OMR). Este método, que está em desenvolvimento no mercado, seria um recurso de diversos softwares de edição musical, que teria como objetivo reconhecer qualquer tipo de partitura, desde que fosse digitalizada e convertida para PDF e as partituras poderiam ser impressas, escritas entre outros. Após o reconhecimento, a partitura seria convertida para um arquivo de extensão “Music XML” que seria um tipo de arquivo o qual é possível editá-lo em qualquer software musical.

Objetivo:O objetivo da pesquisa era estudar o funcionamento deste OMR e analisar como o software se comporta com diferentes tipos de partituras, tendo um entendimento mais aprofundado de quais seriam seus erros, se houvessem, quais seriam as vantagens e desvantagens de seu uso, dentre outros fatores.

Metodologia:Ao decorrer da pesquisa foram usados diversos softwares musicais que suportassem OMR para que se pudesse efetuar os testes. Foi separado um livro de método de ensino de violão clássico, do autor Henrique Pinto, para ser testado nos softwares. Primeiramente, as partituras foram digitalizadas pelos respectivos programas e, em seguida, foram adotados dois procedimentos: inicialmente, foi feita a correção das partituras digitalizadas, a partir das partituras originais do livro, com o uso de um software de edição visual, o “Photoshop”, em seguida, os arquivos gerados pelos programas em suas respectivas extensões foram convertidos para “Music XML”, que se caracteriza por ser um arquivo de aspecto textual. Esses arquivos foram comparados utilizando um outro software de comparação textual, chamado “Windiff”.

Resultados:Os resultados apontaram os dois principais elementos da pesquisa: a falta de padronização na hora da digitalização e o fato de os arquivos “Music XML” não serem adequados para a comparação a qual queríamos. A falta de padronização foi percebida quando, após as análises dos erros viu-se que partes idênticas da partitura eram reconhecidas corretamente em certas partes e reconhecidas de forma errônea em outras. Já em relação ao “Music XML”, percebeu-se que ele se utilizava muito da parte visual da partitura, como por exemplo, largura, altura da folha, pixels entre outros e isso não era necessário, e só tornava a análise da parte musical mais difícil.

Conclusões:Portanto, a ideia subsequente seria utilizar um programa para comparar os arquivos “Music XML”, feito a partir dos resultados da pesquisa, todavia, esta é uma ideia futura.

Palavras-chave:Computação musical. Optical Music Recognition. Music XML.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador