Artigo

Estratégias nutricionais para reduzir os efeitos do estresse térmico em suínos criados na Espanha

OLIVEIRA, Angela Cristina Da Fonseca De1; ASMAR, Salma El3; BORGES, Tâmara Duarte 3; VERA, Yaz 3; PRAT, Norbert 3; ROSAS, Uriel 3; COSTA, Leandro Batista 2;

Resumo

Introdução:Por serem animais homeotérmicos, os suínos apresentam máximo desempenho quando mantidos a níveis confortáveis de temperatura, representado por um limite onde os processos termorreguladores são mínimos (18 - 20 ° C). Em uma situação de estresse onde haverá uma maior demanda de energia para a manutenção térmica, o aporte energético para as funções produtivas será reduzido, gerando desequilíbrios de saúde, queda nas taxas produtivas e problemas de bem-estar.

Objetivo:O objetivo do presente projeto foi substituir 5% de amido por 5% de óleo de girassol (SO), na dieta de suínos em fase de crescimento e terminação (Ibérico x Duroc), sob condições de estresse térmico, e avaliar os impactos no comportamento, desempenho e qualidade de carne dos animais.

Metodologia:Setenta e dois suínos machos castrados (51,1 ± 0,75 kg de peso corporal - BW) foram alojados de acordo com o BW inicial, em salas com controle climático, baias coletivas e expostas a condições de estresse por altas temperaturas (30 - 32 ° C). O experimento durou 90 dias e foi realizado em um delineamento de blocos ao acaso, fatorial 2 x 2, composto por duas dietas (amido ou óleo de girassol - com ou sem) e dois manejos alimentares (ad libitum e restrição). Os tratamentos estudados foram: 1) dieta controle (5% de amido x 0% de SO) com regime ad libitum (n = 18); 2) dieta SO (substituição de 5% de amido por 5% de SO) com regime ad libitum (n = 18); 3) dieta controle com restrição de consumo (n = 18); ou 4) dieta SO com restrição de consumo (n = 18). As dietas foram fornecidas em duas fases, 50 - 100 Kg BW para crescimento e 100 - 140 Kg BW para o período de terminação, respectivamente. O grau de sujidade dos animais foi avaliado diariamente segundo a escala Welfare Quality® e os parâmetros de desempenho foram avaliados em todas as fases do período experimental. Após o abate foram registrados o peso da carcaça, o rendimento, a porcentagem de magro,o pH e condutividade elétrica.

Resultados:A sujidade dos animais foi afetada pelas dietas utilizadas. Os suínos que receberam a dieta controle apresentaram-se mais sujos quando comparados com aqueles que receberam a dieta SO. No que diz respeito ao desempenho, a interação entre a inclusão de óleo de girassol e o regime não influenciou o GDP, CDR e CA na fase de crescimento. Para a fase de terminação, o parâmetro de GDP foi maior para aqueles animais em regime ad libitum, independente da porcentagem de inclusão de óleo na ração. Ainda, a inclusão de 5% de óleo de girassol reduziu o CDR e melhorou a CA dos animais na fase de crescimento. Por fim, os animais em manejo de restrição apresentaram valores de porcentagem de magro e rendimento de carcaça superiores, quando comparados ao grupo ad-libitum.

Conclusões:Os tratamentos apresentaram influência significativa nos parâmetros de comportamento, desempenho e qualidade de carne, sendo considerados estratégias nutricionais eficientes para reduzir o estresse por altas temperaturas.

Palavras-chave:"Comportamento. Estresse térmico. Parâmetros de desempenho. Qualidade de carne. "

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador