Artigo

INFLUÊNCIA DO ACESSO ENDODÔNTICO NA RESISTÊNCIA COMPRESSIVA DE INCISIVOS INFERIORES HUMANOS

AMICO, Yohanna Campos D1; KOWALCZUCK, Alexandre2;

Resumo

Introdução:A cavidade de acesso é a primeira etapa do tratamento endodôntico. Convencionalmente ela é realizada na face lingual/palatina de dentes anteriores por razões estéticas. Atualmente a odontologia vivencia um momento de valorização dos procedimentos estéticos (facetas, lentes de contato, recontornos cosméticos), assim como das técnicas minimamente invasivas. Neste contexto, a etapa da cavidade de acesso sofreu novas abordagens conceituais. Com a popularização do microscópio operatório, a busca de uma cavidade de acesso extremamente conservadora minimiza desgastes demasiados da estrutura dentária. Seguindo o mesmo raciocínio, a seleção da face vestibular para acesso em dentes com indicações de restaurações estéticas (facetas) sugere uma abordagem mais racional pela preservação da face lingual íntegra.

Objetivo:O presente estudo buscou avaliar se há alteração da resistência compressiva de dentes que sofreram cavidades de acesso endodôntico realizadas com auxílio de microscópio operatório, ou realizadas nas faces vestibulares de incisivos inferiores se comparados à técnica tradicional (face lingual).

Metodologia:Sessenta incisivos inferiores foram divididos em quatro grupos (n=15). Um grupo sofreu a cavidade de acesso realizada de forma convencional (CV), outro grupo teve a cavidade realizada com o auxílio do microscópio (MI), um grupo teve as cavidades realizadas na face vestibular (VE), e um grupo não sofreu nenhuma intervenção (grupo controle – CT). As amostras tiveram os canais preparados, obturados e as cavidades de acesso restauradas com resina composta em técnica incremental. Um teste estático de resistência compressiva foi aplicado sobre os dentes até a fratura coronária. Os dados de força (Newtons) foram compilados e avaliados estatisticamente.

Resultados:Os grupos experimentais não apresentaram diferenças estatisticamente significantes entre si quanto a resistência compressiva média (CV = 585,65N ±59,61N)(VE = 530,52N ±74,68N) (MI = 517,83N ±63,51N).

Conclusões:As propostas de alteração de face de eleição ou da dimensão da cavidade de acesso não exerceram influência na resistência compressiva de incisivos inferiores humanos se comparados à tradicional cavidade realizada na face lingual.

Palavras-chave:Endodontia. Tratamento endodôntico. Resistência à fratura.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador