Artigo

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA O CÂNCER DE MAMA EM USUÁRIAS DAS UNIDADES BÁSICAS DE ATENÇÃO À SAÚDE EM LONDRINA, PR NO ANO DE 2016

CASTILHO, Andre Filipe Ribeiro de1; MALACHIAS, Vânia Terra3; MANTOVANI, Ana Luiza3; PAULINO, Jessica Ribaski3; MARCO, Rafaela De3; HERRERA, Ana Cristina Da Silva Do Amaral2;

Resumo

Introdução:O câncer de mama é o segundo câncer mais incidente nas mulheres do mundo, atrás apenas do câncer de pele não melanoma, nos países subdesenvolvidos a sua incidência aumenta conforme ocorre a melhora da qualidade e expectativa de vida. Câncer mais temido entre as mulheres por sua morbidade (alteração física, sexual e psicológica) e mortalidade. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima 57.960 novos casos no Brasil em 2016, no estado do Paraná 3730 casos.

Objetivo:Realizar o levantamento do perfil epidemiológico das mulheres diagnosticadas com câncer de mama nas unidades básicas em saúde da atenção no município de Londrina, PR em 2016, os fatores de risco utilizados são os discutidos pela literatura (idade, menarca precoce, menopausa tardia, primeira gravidez após os 30 anos, nuliparidade, terapia hormonal, obesidade, sedentarismo, ingestão regular de álcool, tabagismo, sedentarismo, história familiar, uso de anticoncepcional oral, ganho de peso após a menopausa), e compará-los a um grupo controle de mulheres sem a neoplasia.

Metodologia:Os dados foram localizados na “Secretaria de Saúde de Londrina, PR” através do “Sistema de Informação do Câncer – SISCAN”, utilizando os filtros “Mamografia Diagnóstica BI-RADS 4, 5 ou 6” e “Mamografia de Rastreamento BI-RADS 5”, as entrevistas foram realizadas via domiciliar com aplicação de um questionário para a coleta das informações, o grupo controle foi formado por mulheres sem neoplasia contidas no SISCAN e mulheres sem neoplasia de uma confecção e do Ambulatório Acadêmico da PUCPR Campus Londrina.

Resultados:Das 64 mulheres, 31 foram confirmadas com o câncer de mama, os fatores de risco mais prevalentes foram: uso de anticoncepcional oral (77%); idade maior que 50 anos (65%); sedentarismo (55%); história familiar de neoplasias (55%); ganho de peso após menopausa (48%) e história familiar positiva para o câncer de mama (39%).

Conclusões:O conhecimento da epidemiologia e dos fatores de risco do câncer de mama auxiliam na compreensão de sua fisiopatologia e a traçar metas de prevenção capazes de alterar o perfil da neoplasia no Brasil.

Palavras-chave:Câncer de mama. Fatores de risco. Mulheres.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador