Artigo

A IMPORTÂNCIA DA VINCULAÇÃO AO LUGAR NA MANUTENÇÃO DA IDENTIDADE DOS IDOSOS RESIDENTES NA ILHA DAS PEÇAS, PR E EM CURITIBA, PR

LIMA, Claudia Franciane de1; REIS, Kelvin Arrich3; MOSER, Ana Maria2;

Resumo

Introdução:O contexto onde o idoso está inserido é o principal organizador do que é experimentado com o avançar do tempo, com suas interpretações subjetivas representa um importante papel na formação e manutenção da identidade.

Objetivo:O objetivo da pesquisa foi investigar o fenômeno da vinculação ao ambiente na construção e manutenção da identidade dos idosos residentes na comunidade Ilha das Peças, município de Guaraqueçaba, no litoral do Paraná e em Curitiba, capital paranaense.

Metodologia:O método foi qualitativo com a utilização de um roteiro de entrevista semi-estruturada com sete questões abertas e aplicação de um questionário sociodemográfico, coletados individualmente. Participaram 29 idosos na faixa etária de 60 a 87 anos, distribuído em dois grupos: Grupo I (residentes na Ilha das Peças) e Grupo II (residentes em Curitiba); após a explicação do objetivo da pesquisa e a assinatura do TCLE, os dados foram coletados (Grupo I) na própria residência do idoso e (Grupo II) em um centro de convivência; as entrevistas foram gravadas, transcritas e analisadas pela metodologia da análise do discurso do sujeito coletivo.

Resultados:Os principais resultados relacionados ao perfil indicam que: o Grupo I possui mais integrantes do gênero masculino que o Grupo II; 90% aposentados (Grupo I) 73,7% aposentados (Grupo II), estado civil para o Grupo I (50% casados, 40% viúvos) para o Grupo II (57,9% viúvos, 36,8% casados); em relação a escolaridade para Grupo I (70% Fundamental incompleto) para Grupo II (57,9% Fundamental incompleto, 10,5% superior completo); vivem sozinhos no Grupo I (20%) e no Grupo II (47,4%). Em relação a vinculação ao lugar a avaliação sugere que: relacionamento com os vizinhos Grupo I (50%) e Grupo II (42,10%) avaliaram como boa, a qualidade desta relação foi avaliada pelo Grupo I (40%) e pelo Grupo II (63,15%) como boa; a maioria do Grupo I (60%) e do grupo II (57,89%) percebem que a sua localidade está bem desenvolvida e/ou mudou para melhor; o Grupo I (30%) avalia que houve avanços positivos em sua localidade, porém com necessidade de melhorias, enquanto que a maioria do Grupo II (36,84%) percebem os avanços positivos na aquisição de serviços; em relação a atuação do idoso dentro da comunidade a maioria do Grupo I (50%) enfatiza que é centrada na vida doméstica, enquanto que a maioria do Grupo II (57,89%) centram-se em atividades religiosas; quanto a disponibilidade dos serviços públicos a maioria do Grupo I (60%) e do Grupo II (47,36%) enfatiza o posto de saúde como sendo positivo, enquanto a maioria do Grupo I (80%) e do Grupo II (47,10%) considera como sendo negativo a disponibilidade de médicos e medicamentos; a maioria do Grupo I (50%) e do Grupo II (42,10%) avaliaram como ótima envelhecer na sua localidade, acrescentando forte sentimento de pertença ao território (70% - Grupo I) e facilidade no acesso a diferentes serviços (36,84% - Grupo II).

Conclusões:Conclui-se que há uma preocupação em como o ambiente atenderá as demandas atuais e futura que esta população possa vir a apresentar.

Palavras-chave:Vinculação. Ambiente. Idoso. Envelhecimento.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador