Artigo

AVALIAÇÃO DA FUNÇAO RENAL EM CÃES COM ENDOCARDIOSE DE MITRAL

DIAS, Ingride Lengoski1; PORFIRIO, Julia Alves3; RAMOS, Natália De Oliveira3; RUBERTI, Bruna3; BRAGA, Karina Francini3; LOPES, Ana Paula Sarraff2;

Resumo

Introdução:A doença degenerativa da valva mitral, também conhecida como endocardiose é, dentre as cardiopatias, a principal causa de insuficiência cardíaca em cães. Sabe-se que alterações cardiovasculares implicam em possível risco para pacientes com doença renal e que pacientes doentes renais são comumente diagnosticados com alguma insuficiência cardiovascular devido à insuficiência circulatória que ambas ocasionam. A insuficiência cardíaca acarreta, à curto ou longo prazo, em perda da capacidade renal de manter a homeostase. Esta interrelação de lesão mútua, denominada de síndrome cardiorrenal. Sabe-se que a presença da disfunção renal tem um valor prognóstico pior comparado com animais que apresentam apenas a insuficiência cardíaca. Sendo a endocardiose a doença cardíaca crônica de maior frequência em cães, esse estudo tem como objetivo avaliar a função renal (baseada na morfologia renal, detecção de proteinúria, dosagem de creatinina e mensuração da pressão arterial sistêmica) de cães com endocardiose de mitral e comparar a existência e o estadiamento da doença renal nestes cães, como prioriza a International Renal Interest Society (IRIS).

Objetivo:Avaliar a função renal (baseada na morfologia renal, detecção de proteinúria, dosagem de creatinina e mensuração da pressão arterial sistêmica) de cães com endocardiose de mitral e classificar a cardiopatia de acordo com o consenso estabelecido por ATKINS et al. (2009), além de comparar a existência e o estadiamento da doença renal nestes cães, como prioriza a IRIS nos cães atendidos na Clínica Veterinária Escola (CVE) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Metodologia:Foram incluídos cães de idade, sexo e raça variados que apresentaram diagnóstico de degeneração valvar mitral crônica. Esses animais foram submetidos à ultrassonografia abdominal, hemograma, bioquímico, urinálise e aferição da pressão arterial sistêmica. Após avaliação dos exames laboratoriais e de imagem foi realizado o estadiamento da DRC segundo a IRIS.

Resultados:De acordo com o estudo, nove animais do total de dezenove (47,3%), apresentam em algum estágio da doença renal crônica. Desses nove animais, 11,1% se encontram na fase B1 da endocardiose de mitral, 33,3% se encontram na fase B2 e 55,5% se encontram na fase C.

Conclusões:Pode-se concluir que a prevalência de animais com doença valvar crônica de mitral e lesões renais concomitantes é alta, e se torna mais importante e presente à medida que a disfunção cardíaca avança.

Palavras-chave:Síndrome cardiorrenal. Degeneração mixomatosa. Creatinina.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador