Artigo

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL EM RECINTOS DE AMAZONA AESTIVA E AMAZONA AMAZONICA VISANDO UM AUMENTO NA TAXA REPRODUTIVA

GUIMARAES, Thiago Ferreira1; SOUZA, Bianca Dos Santos3; RAUSIS, Kamilla Gilaverte3; ARASHESKI, Nikolas3; PASSERINO, Ana Silvia Miranda2;

Resumo

Introdução:No decorrer dos últimos anos foi possível notar um importante aumento na criação de animais silvestres em cativeiro, seja para fins conservacionistas ou para a produção comercial. Os papagaios da espécie Amazona são tidos como animais de estimação e criados com destino ao mercado de pets. São aves monogâmigas que atingem a maturidade sexual com aproximadamente quatro anos de vida e habitam regiões do Brasil e de alguns outros países da América do Sul. Existe um período de adaptação para a formação dos casais e também para que se tenha êxito na reprodução desta espécie em cativeiro.

Objetivo:O objetivo deste trabalho foi avaliar se o enriquecimento ambiental nos recintos de um casal de Amazona aestiva e três casais de Amazona amazonica acarretarão em um aumento da taxa reprodutiva no Criatório de Animais Silvestres da Fazenda Experimental Gralha Azul (FEGA) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), localizado em Fazenda Rio Grande, região Metropolitana de Curitiba, Estado do Paraná, entre o período de setembro de 2016 e março de 2017.

Metodologia:Os quatro casais de papagaios foram observados antes, durante e após o enriquecimento ambiental. Optou-se pelo método de observação ”ad libtum sampling” de Altmann (2011). Os dados coletados referem-se a atividades comportamentais dos indivíduos em repouso, interação social, mantença, alimentação e interação com o enriquecimento ambiental. As observações foram realizadas em dias alternados, duas a três vezes por semana, durante um período de duas a três horas cada dia, sendo os dados de comportamento anotados em ficha própria.

Resultados:Os enriquecimentos ambientais em sua maioria foram cognitivos, ambientais e alimentares, sendo este último o de maior apelo interativo pelos casais do experimento. Nenhum casal apresentou comportamentos de estereotipias. O casal de Amazona aestiva, interagiu com um menor número de enriquecimentos devido ao fato da fêmea sempre estar no ninho e o macho se mostrou muitas vezes desconfiado a respeito das movimentações e das novas ambientações. O casal T2 da espécie Amazona amazonica obteve a segunda maior interação como os enriquecimentos ambientais, cerca de 80%. O casal T3 foi o que mais interagiu com os enriquecimentos. O casal T4 de Amazona amazonica, apresentava uma série de comportamentos que indicavam estresse, o que foi minimizado com o enriquecimento ambiental. Os casais T1 e T2 realizaram postura, porém, não houve nascimento de filhotes.

Conclusões:Com as frequências comportamentais geradas por esse trabalho, conclui-se que a maioria dos casais apresentou interesse nos enriquecimentos ambientais oferecidos durante o projeto e consequentemente melhora no seu bem estar. Comportamentos associados a estresse tiveram suas frequências significativamente diminuídas, como exemplo o coçar, vocalizar e ameaça de bicar o parceiro. Também constatou-se que foi a primeira vez que um casal de A. amazônica fez postura.

Palavras-chave:Amazona. Papagaios. Enriquecimento ambiental.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador