Artigo

INFLUÊNCIA DO SISTEMA DE CIMENTAÇÃO E FOTOATIVAÇÃO DO ADESIVO NA RESISTÊNCIA DE UNIÃO DE UMA CERÂMICA: ANÁLISE APÓS 6 MESES DE ARMAZENAMENTO

RAFFEL, Patricia Camila1; SANTOS, Luana Ribeiro Dos3; VASCONCELOS, Andrea Freire De2;

Resumo

Introdução:Com o surgimento de novos materiais, há uma necessidade urgente de se estabelecer um protocolo para tratamento de cerâmicas de dissilicato de lítio, o qual possa predizer uma durabilidade clínica, devido a isto a análise com armazenamento é extremamente importante.

Objetivo:O objetivo desta pesquisa é avaliar o efeito do tempo de armazenamento na resistência de união de diferentes cimentos resinosos a uma cerâmica reforçada por dissilicato de lítio. A hipótese nula a ser testada é que não haverá diferença quanto a presença ou fotoativação do sistema adesivos na resistência de união a uma cerâmica reforçada por dissilicato de lítio após 6 meses de armazenamento.

Metodologia:Foram fabricados de forma padronizada 30 tubos de PCV com espécimes de cerâmica vítrea reforçada por dissilicato de lítio (IPS e-max CAD), lixados e lavados. Uma fita dupla face, foi perfurada em 6 locais com 0,8 mm de diâmetro e aplicada sobre a cerâmica, o ácido fluorídrico 10% foi aplicado por 20 segundos e lavados com spray água/ar e posteriormente 3 minutos em ultrassom. Após o condicionamento os espécimes foram divididos em grupos, de acordo com o delineamento: 1- procedimento adesivo (silano, adesivo fotoativado e adesivo sem fotoativar), 2- Cimento resinoso (convencional RelyX ARC, autocondicionante RelyX Ultimate e autoadesivo RelyX U200). Para aplicação do cimento foi utilizado tubos tygon, com diâmetro interno de 0,8 mm que foi posicionado sobre a fita dupla face. A polimerização do cimento foi por 40 segundos com LED e irradiância em torno de 600 mW/cm2. Posteriormente, as matrizes foram cuidadosamente removidas com lâmina de bisturi para expor os cilindros de cimento resinoso e então submetidos a 10.000 ciclos em termociclagem (5º/55ºC). Após o período de ciclagem os tubos de PVC foram acondicionados no dispositivo para teste de microcisalhamento em uma máquina universal. Os dados de resistência de união foram calculados em Mpa dividindo a força obtida no teste pela área de superfície em mm2 de cada espécime. Após o teste de microcisalhamento os espécimes foram classificados de acordo com o tipo de falha.

Resultados:A Análise de Variância detectou influência do armazenamento quando considerado o tratamento de superfície e também o cimento. Mas, quando somente os dados obtidos após a termociclagem foram comparados não houve diferença entre os tratamentos na análise do mesmo cimento assim como entre os cimentos com o mesmo tratamento.

Conclusões:O tempo de armazenamento provocou redução na resistência de união entre cerâmica e cimento resinoso. Entretanto, não houve diferença na presença ou fotoativação do adesivo após termociclagem.

Palavras-chave:Cerâmica. Resistência de união. Cimento resinoso. Termociclagem.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador