Artigo

EIXO METROPOLITANO – LINHA VERDE: A CONSOLIDAÇÃO DO INVENTÁRIO DA PAISAGEM URBANA

BRASIL, Raphael Klitzke1; HARDT, Letícia Peret Antunes3; HARDT, Carlos2;

Resumo

Introdução:Quando da elaboração do Plano Diretor Serete-Wilheim, de 1965, Curitiba foi conhecida mundialmente por seu urbanismo inovador. Desde então, desenvolveu-se com base nas diretrizes elaboradas à época, até que, a partir dos anos 2000, com a revisão do Plano Diretor e sua necessária adaptação à Lei Federal nº 10.257/2001 — o Estatuto da Cidade — a dicussão sobre o antigo trecho urbano da BR-116 foi pautada. A rodovia, que corta a cidade em sentido Norte-Sul do bairro Atuba ao Pinheirinho, é considerada uma via de penetração da qual surgem conflitos no uso do solo, na mobilidade e na paisagem urbana. A característica rodoviária configurava-se como elemento fragmentador da malha urbana. Nesse ínterim, levando-se em conta o crescimento demográfico e a utilização da rodovia como opção importante para o deslocamento urbano, iniciou-se em 2011 a Operação Urbana Consorciada (OUC) Linha Verde, com a intenção de impulsionar o projeto que visa a refuncionalizar o antigo trecho rodoviário e transformá-lo numa grande avenida estrutural dotada de áreas verdes, espaços de convivência e passagens para pedestres e ciclistas e suporte para ocupação urbana de alta densidade. Com base nas pesquisas anteriormente realizadas sobre o tema, desenvolvidas entre 2006 e 2009 (KRÜGER, 2007; CHU, 2008; MOREIRA, 2009), que tinham como foco as análises sobre a BR-116 em Curitiba, e também nas pesquisas posteriores, de 2014 a 2016, que buscaram registrar os estágios de implementação do projeto nos aspectos da paisagem urbana ao longo da via (CARDOSO, 2014; BUITRAGO, 2015; BRASIL, 2016).

Objetivo:Os objetivos desta pesquisa passaram a se constituir em reunir e organizar o inventário das alterações da paisagem ao longo desses anos de pesquisa, bem como complementar análises anteriores nos trechos em que isso se fizer necessário, avaliando o atual estágio de implementação do projeto e comparando-o com as propostas originais.

Metodologia:O método utilizado foi o exploratório e qualitativo, por intermédio da avaliação das pesquisas anteriores sob ponto de vista da abrangência geográfica e a análise da paisagem resultante.

Resultados:A partir das constatações e levantamentos, pode-se inferir que as pesquisas anteriores tiveram diferentes enfoques e abrangências, restando alguns pontos não cobertos pelos levantamentos fotográficos, e sua interpretação confirmou que o projeto da Linha Verde configurada como um Grande Projeto Urbano (GPU), na condição de ser a primeira mudança significativa na estrutura morfológica de Curitiba nos últimos 25 anos, está em processo, embora lento, de incorporação dos novos parâmetros e por conseguinte novas paisagens urbanas.

Conclusões:O uso da Operação Urbana Consorciada como instrumento de ação novo proposto pelo Estatuto da Cidade, abriu a possibilidade para análises e discussões sobre os meandros entre uma intenção urbanística e sua aplicação em longo prazo, numa operação de grande porte, cuja implementação possui êxitos, na maioria ainda não consolidados e vêm gerando novos desafios a serem enfrentados num futuro próximo.

Palavras-chave:Paisagem urbana. Grande projeto urbano. refuncionalização.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador