Artigo

TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO MESENQUIMAIS OBTIDAS DO CORDÃO UMBILICAL NO TRATAMENTO DA CARTILAGEM ARTICULAR DO JOELHO

SANTOS, Guilherme Cleverson dos1; VILLANOVA, José Ademar3; FRACARO, Letícia3; OLIVEIRA, Fagner De Moraes De3; ISHIKAWA, Felipe Yukio3; REBELATTO, Carmen Lucia Kuniyoshi2;

Resumo

Introdução:A cartilagem é um tecido altamente especializado, responsável pelo suporte de carga. Entretanto, a cartilagem possui um potencial limitado de cura por causa da baixa atividade mitótica dos condrócitos. Alternativas terapêuticas como a utilização de biomateriais associados à terapia celular, poderiam auxiliar na recuperação da cartilagem. A membrana de colágeno permite a migração e a adesão das células-tronco mesenquimais (CTMs), evitando que as mesmas se dispersem pela articulação favorecendo a diferenciação em tecido cartilaginoso.

Objetivo:Este trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos do uso da matriz de colágeno associada às microfraturas e às células-tronco mesenquimais obtidas do cordão umbilical, na reparação osteocondral em joelhos de coelhos.

Metodologia:As CTMs foram obtidas de duas unidades de cordão umbilical. Vinte e dois coelhos da raça Nova Zelândia, com idade média de um ano, que foram separados em: Grupo A, 11 animais com aplicação da membrana de colágeno associada às microfraturas e Grupo B, 11 animais com aplicação de membrana de colágeno associada às microfraturas e CTMs derivadas do cordão umbilical. Os animais foram submetidos à sulcoplastia troclear da articulação femoro-tibio-patelar por abrasão para remoção do segmento de cartilagem, realização das microfraturas no osso subcondral e aplicação de CTMs nos animais do grupo B, sendo que a matriz de colágeno foi aplicada no defeito condral e vedada com cola de fibrina nas bordas da lesão em ambos os grupos. Após 60 dias do procedimento cirúrgico foi realizada a eutanásia, os joelhos lesionados foram retirados, as peças descalcificadas e seccionadas para coleta da área de sulcoplastia troclear e confecção de lâminas histológicas. As lâminas foram coradas com hematoxilina-eosina, permitindo a visualização da regeneração tecidual. Para mensuração da área regenerada em µm², as imagens foram digitalizadas pelo Axion Scan Z1 (Zeiss), tratadas no software Adobe Photoshop® e utilizado o programa Image Pro Plus®.

Resultados:Observou-se que não houve diferenças significativas no tamanho do tecido regenerado nos dois tratamentos utilizados para reparação condral na articulação de coelhos.

Conclusões:O transplante das CTMs não contribuiu para uma regeneração tecidual mais efetiva, comparativamente ao tratamento somente com a membrana de colágeno.

Palavras-chave:Regeneração da cartilagem. Células-tronco. Biomaterial.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador