Artigo

CARACTERIZAÇÃO DE CORPO LÚTEO DE VACAS COM OVULAÇÃO SINCRONIZADA

Borges, Marcelo Paulino1; BORGES, Marcelo Paulino3; LINK, Angélica3; KOZICKI, Luiz Ernandes3; MEIRELLES, Ciro2;

Resumo

Introdução:Na inseminação artificial em tempo fixo (IATF) vários protocolos para se aumentar o número de animais prenhes são desenvolvidos a partir da técnica de ressincronização. Com o diagnóstico precoce de gestação é possível melhora a eficiência da ressincronização nos animais não gestantes do protocolo inicial. A avaliação ultrassonográfica do corpo lúteo gestante pode fornecer informações que permitam a identificação animais gestantes precocemente ao método ultrassonográfico convencional.

Objetivo:O objetivo do presente trabalho é analisar o volume e conformação do corpo lúteo de animais submetidos à protocolos de IATF, no dia 21 após a inseminação artificial e comparar os resultados entre animais identificados como gestantes ou não gestantes no dia 28 após a inseminação artificial.

Metodologia:Para desenvolvimento do trabalho foi utilizado o aparelho de “ultrassom veterinário DP 4400 da marca Mindray®”, adotando o método de escaneamento com transdutor linear no modo-B (7,5 MHz). Foram usadas vacas (cruzadas Nelore x Red Angus) com escore variando de 2,75 a 4,0. Foi feito um protocolo de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) utilizando para tanto o seguinte manejo: No dia D-10: Identificação da fêmea por número; avaliação ultrassonográfica ginecológica e classificação das fêmeas quanto à presença ou ausência de corpo lúteo; classificação da condição corporal; implante de medroxiprogesterona intravaginal; administração de 2 mg de benzoato de estradiol. No dia D-2: Administração de 0,15 mg de D-Cloprostenol; retirada do implante intravaginal de medroxiprogesterona; administração de 200 UI de gonadotrofina coriônica equina. No dia D-1: Administração de 2 mg de benzoato de estradiol. No dia 0: Inseminação artificial de todas as fêmeas. No dia 21: classificação do volume e conformação do corpo lúteo. No dia 28: Diagnóstico com ultrassom dos animais gestantes e não gestantes pela detecção do embrião. Então realizou-se comparação entre os grupos de animais gestantes e não gestantes quanto à classificação de volume e conformação do corpo lúteo. Para análise estatística foi utilizado o software Bioestat (5.3) com o teste T de Student (p<0,05).

Resultados:Observou-se que não houve diferença significativa entre as médias dos maiores diâmetros de corpo lúteo (CL) no dia 21 após IATF. Entretanto, houve diferença significativa entre as médias de volume de CL. Não houve diferença significativa entre os lados direito e esquerdo quanto ao diâmetro e volume de corpos lúteos. Nenhuma fêmea gestante apresentou Cl cavitário no dia 21 após IATF.

Conclusões:houve diferença significativa entre as médias do volume de corpos lúteos no dia 21, após IATF, maior em fêmeas gestantes. Nenhuma fêmea gestante foi identificada com CL cavitário no dia 21 após inseminação artificial.

Palavras-chave:Corpo lúteo. Diagnóstico de gestação. IATF.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador