Artigo

PARÂMETROS IMUNOLÓGICOS COMO CRITÉRIO DE SELEÇÃO DE OVINOS RESISTENTES AOS HELMINTOS GASTRINTESTINAIS

SILVA, Isabelle Cristina Lopes da1; MACHADO, Natalia Podolan Marochi3; CINTRA, Maria Christine Rizzon3; PARAMES, Isabella Ferro Pascual3; LENZ, Ana Luiza3; PORTUGAL, Fernanda Carrilho3; MINOZZO, João Carlos3; SOTOMAIOR, Cristina Santos2;

Resumo

Introdução:O controle do parasitismo gastrintestinal de ovinos, principalmente do helminto Haemonchus contortus, tem se tornado um desafio ainda maior em virtude do progresso da resistência parasitária. Por esse motivo, medidas de controle alternativo têm sido desenvolvidas para utilização em conjunto com os fármacos.

Objetivo:Os objetivos deste trabalho foram estudar a resposta imunológica dos ovinos aos parasitos gastrintestinais quando submetidos à infecção natural e avaliar qual o melhor momento para identificar animais resistentes às parasitoses, comparando marcadores imunológicos (níveis séricos de imunoglobulinas A - IgA) e parasitológicos (contagem de ovos nas fezes - OPG).

Metodologia:Para isso, foi acompanhado um rebanho de 46 ovelhas e 56 cordeiros, da Fazenda Experimental Gralha Azul- PUCPR. As ovelhas foram avaliadas 2 vezes no final da gestação e duas vezes na lactação, e os cordeiros no desmame, aos 3 e 4 meses de idade. As avaliações consistiram na análise, pelo método de ELISA, dos níveis séricos de IgA e na contagem de OPG. O antígeno utilizado para mensurar os níveis de IgA foi obtido do extrato bruto de larvas L3 de H. contortus.

Resultados:Os níveis séricos de IgA apresentaram uma diminuição (p<0,05) entre a primeira (0,203) e a quarta (0,171) avaliação das ovelhas. A média de OPG das ovelhas durante o período de lactação (3.761,35 OPG) foi superior (p<0,05) à média durante o período de gestação (1.742,5 OPG). Quando se avalia a correlação entre IgA e OPG, nas diferentes avaliações, observa-se um aumento da correlação entre a primeira (-0,63) e a quarta avaliação (-0,80). Os cordeiros apresentaram médias de IgA nas três avaliações (0,179; 0,191; 0,196) equivalentes entre si (p>0,05), da mesma forma que as médias de OPG. A correlação entre todos os dados de IgA e OPG dos cordeiros foi significativa (p=0,000) com valor de -0,6579. Nas diferentes avaliações, os valores de correlação variaram entre -0,65 a -0,69, inferiores aos valores das ovelhas.

Conclusões:Analisando todos os resultados obtidos, conclui-se que os níveis de IgA séricos podem ser utilizados como marcadores de seleção indireta de resistência aos parasitos gastrintestinais, e que ovelhas adultas, durante o período de lactação seriam a categoria mais adequada para identificar ovinos mais resistentes/suscetíveis ao H. contortus.

Palavras-chave:IgA. Ovinos. Seleção genética. Haemonchus contortus. Resistência aos parasitos.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador