Artigo

CO-DIGESTÃO DE DEJETOS SUÍNOS E GLICERINA PELO USO DE BIODIGESTORES

VITOR VINICIUS ZIBETTI DA SILVA1; SCHWANTES, Daniel 3; ALEXIO, Valdemir3; VITOR VINICIUS ZIBETTI DA SILVA3; VITOR VINICIUS ZIBETTI DA SILVA3; ALEIXO, Valdemir2;

Resumo

Introdução:Devido ao crescente desenvolvimento da atividade suinícola no Brasil, e, por consequência, da crescente geração de dejetos suínos, práticas como a biodigestão anaeróbia e bioestabilização destes resíduos devem ser aplicadas. Cabe salientar que, a mistura de resíduos de diferentes fontes para o processo de biodigestão origina um processo usualmente denominado de “codigestão”. Neste cenário, a digestão anaeróbia de dejetos suínos com glicerina surge como uma alternativa para a diversificação da matriz energética, além de proporcionar uma forma de tratamento para esses resíduos, que apresentam alto potencial poluidor.

Objetivo:Desta forma, a presente pesquisa visa a avaliação da biodigestão anaeróbia de digestão dejetos suínos com adição de doses de glicerina na produção de biogás e fertilizante bioestabilizado.

Metodologia:Para isso, foram desenvolvidos 5 biodigestores anaeróbios do tipo batelada, os quais foram alimentados com dejetos suínos, cada reator, em seguida os tratamentos foram divididos em uma testemunha e quatro diferentes porcentagens de glicerina (0, 2, 4, 6 e 8%). O experimento foi avaliado durante um tempo de detenção hidráulica (TDH) de 21 dias, sendo a cada sete dias avaliados os parâmetros físico-químicos: temperatura, pH, turbidez, serie de sólidos, fósforo total, nitrogênio total, e DQO. A produção de biogás foi monitorada diariamente e foi analisada a concentração inicial e final dos nutrientes Cu, Zn, Mn e Fe, e dos metais Cd, Pb e Cr.

Resultados:As maiores concentrações de sólidos voláteis nas doses 6 e 8% poderão resultar em maior produção de biogás até o final do experimento, o qual ainda se encontra em funcionamento devido as baixas temperaturas das últimas semanas. Os teores de N e P totais ainda apresentam variação, indicando que a mistura dejetos suínos + glicerina ainda não foi totalmente bioestabilizada, necessitando de maiores tempos de avaliação.

Conclusões:A biodigestão de dejetos suínos misturados à glicerina gera um biofertilizante com boas características, entretanto, mais tempo de biodigestão e condições climatológicas favoráveis são necessárias para efetiva avaliação da produção de biogás.

Palavras-chave:Biocombustíveis. Energias renováveis. Biodigestor. Biogás.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador