Artigo

ACESSO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA FÍSICO-MOTORA AOS SERVIÇOS DE FISIOTERAPIA: PERSPECTIVA DO FISIOTERAPEUTA

BUSNELLO, Adson Renato Rodrigues1; SILVA, Verônica Andrade Da3; CAVASSIN, Renata Cristina3; CARVALHO, Deborah Ribeiro2;

Resumo

Introdução:O acesso à saúde no Brasil é um direito constitucional garantido por intermédio do Sistema Único de Saúde. Sob essa perspectiva, crianças e adolescentes possuem o direito ao acesso à saúde pela Constituição Federal, bem como por meio da Lei Federal Brasileira 8.069/1990, que aprovou o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Objetivo:Dessa forma, esse subprojeto, tem como principal objetivo identificar os fatores que facilitam e dificultam o acesso de crianças e adolescentes com deficiência físico-motora aos serviços de Fisioterapia no município de Curitiba, disponibilizados pelo SUS, sob a percepção dos fisioterapeutas.

Metodologia:O estudo foi realizado com uma amostra de 18 participantes e decorreu em seis estabelecimentos de fisioterapia vinculados ao SUS em Curitiba, Paraná, por meio da aplicação de um questionário. Os dados foram analisados pelo software IBM SPSS Statistics 21 por meio de estatística descritiva, combinadas à mineração de texto por meio do software SobekTextMiner.

Resultados:Os principais fatores facilitadores do acesso foram: o tratamento pelo SUS; o estabelecimento com acessibilidade; a equipe multiprofissional; transporte sem custo ao usuário; a participação familiar; a colaboração intermunicipal; infraestrutura adaptada; compreensão da doença pelos responsáveis; possuir condução própria; possuir boa condição financeira; e, terapia complementar. Já fatores dificultadores, foram: a distância; falta de informação; falta de recursos financeiros; clima; falta de transporte; negação dos responsáveis quanto à deficiência; alta demanda de atendimento; incompreensão acerca da importância do tratamento; falta de encaminhamento; pouca oferta de serviços pelo SUS; poucos fisioterapeutas disponíveis; falta de acompanhamento; e, problemas de comunicação.

Conclusões:Ambos, facilitadores e dificultadores, são subjetivos no que concerne a sua influência na atuação fisioterapêutica pois dependem da percepção do profissional. Novas pesquisas, permitem melhor conhecer esta realidade e auxiliam na adaptação ou na criação de políticas e estratégias que otimizem o acesso a esse serviço.

Palavras-chave:Acesso aos serviços de saúde. Crianças com Deficiência. Deficiência físico-motora. Fisioterapeutas.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador