Artigo

REFLEXÕES EM TORNO DAS QUESTÕES DO SENSO COMUM, BOM SENSO E DA CONSCIÊNCIA FILOSÓFICA EM ANTONIO GRAMSCI

SANTOS, Tiago Jorge dos1; PEREIRA, Fabio Inacio2;

Resumo

Introdução:Este trabalho busca fazer uma reflexão em torno das questões do senso comum, bom senso e consciência filosófica a partir dos “Cadernos do Cárcere” de Antonio Gramsci (1891-1937). Nesta principal fonte, encontra-se a análise do autor sobre uma época sombria, marcada por guerras, totalitarismos opressores e acentuadas desigualdades, sobretudo, pelo conformismo político e social, fruto da permanente persuasão das classes dominantes. Essas questões encontram-se na raiz das questões teórico-políticos e pedagógicos estratégicos levantados por Gramsci. Para ele, toda relação de hegemonia é uma relação pedagógica. A sua preocupação com o processo educacional teve em vista o conhecimento da capacidade das pessoas de resistirem à dominação.

Objetivo:Assim, propõe-se o estudo dos conceitos de senso comum, bom senso e consciência filosófica, bem como os processos de passagem de um a outro a partir das concepções do intelectual italiano. A intenção é contribuir para a compreensão das relações entre educação e hegemonia, numa perspectiva de educação emancipadora.

Metodologia:Para a realização da pesquisa, foi necessário o uso de uma metodologia específica capaz de orientar e dar cientificidade ao que se pretendera inicialmente. Utilizou-se para isso a metodologia hermenêutica de compreensão e interpretação do seu pensamento. Os assuntos fundamentais discutidos por Gramsci, sobretudo de ordem histórica, continuam a enriquecer o pensamento social, político e educacional ao longo de todos os tempos.

Resultados:No Brasil, seu legado incita estudos cujos temas são os mais diversos, sobretudo, incididos a questões culturais, políticas e econômicas, o que permite um debate voltado a sociedade e aos princípios educativos e pedagógicos como meios para o avigoramento de uma sociedade “igualitária”. Inicialmente, tratou-se de algumas das formulações conceituais originadas pelo autor, de modo a explicitar sistematicamente uma breve contextualização acerca do seu pensamento, além de tentar compreender as formulações e concepções do autor, a partir de uma visão historicista, e responder à questão que se propusera. Daí a proficuidade dos seus escritos para uma nova proposta societal, radicada no projeto revolucionário de transformação e impulsionado pela edificação de um aparato psicossocial capaz de exercer sobre os grupos subalternos não apenas um estado de alerta e defesa, mas o reconhecimento do seu protagonismo na construção da sua própria história, cujo fim esvanece o “simulacro do discurso ideológico” em função da liberdade e da emancipação, com base na formulação de uma pedagogia catártica, crítico-reflexiva, frente às contradições da sociedade predominante economicista.

Conclusões:Essa percepção, nuclearmente, depende do preponderante protagonismo dos intelectuais, pois a estes cabem de certo modo a criação ou o despertar do sentimento que impulsione a edificação da unidade nacional. A ideia preeminente em seus escritos se vincula à superação da a-criticidade no entendimento da realidade e na construção histórica em função do entendimento e da ação prática, sobretudo, no alcance de uma visão de mundo unitária espontânea, no sentido de apresentar respostas às classes subalternas.

Palavras-chave:Hegemonia. Senso comum. Bom senso. Consciência filosófica. Antonio Gramsci

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador