Artigo

A CONEPÇÃO DA NATUREZA NA FILOSOFIA DE FICHTE E A SUA RECEPÇÃO NA FILOSOFIA DE SCHELLING

LANGER, Douglas William1; FERRAGUTO, Federico2;

Resumo

Introdução:Contemporâneos, Fichte e Schelling compartilham não apenas do mesmo período histórico, mas também da mesma pátria e da mesma atmosfera produzidas pelo empreendimento crítico de Kant. O segundo, além do espectro kantiano, lida com os conceitos forjados no interior da Wissenschaftslehre de Fichte, a partir do ano de 1794, dentre eles, destacando-se, a ideia de Não-Eu, que influenciaria decisivamente Schelling na construção de sua filosofia da natureza.

Objetivo:Tendo considerado estes pontos, essa pesquisa tem como objetivo analisar os principais elementos de uma filosofia da natureza no trabalho de Fichte e como eles influenciam e contribuem para o pensamento de Schelling, especialmente em seus primeiros escritos da última década do século dezoito.

Metodologia:Para tal, utilizou-se das obras de ambos os autores, que correspondem à metade da década de 1790, período em que Fichte desenvolve os princípios da sua filosofia, influenciando marcadamente o pensamento de Schelling. Durante todo o processo de pesquisa, apelou-se às versões dos escritos na língua original, buscando com isso obter maior precisão na análise dos conceitos.

Resultados:O ponto de partida da investigação, é de que ambas as filosofias se coadunam num aspecto geral em determinadas obras, principalmente no que se refere ao estatuto de princípio fundamental atribuído ao Eu e seu ato primordial de intuição intelectual e de constituição do Não-Eu na ocasião de travo da atividade do Eu. No entanto, é perceptível o fato de encontram-se em escritos da mesma época, pontos de divergências, como a concepção de Schelling de Eu e Não-Eu como princípios advindos de uma esfera superior chamada Absoluto, que compreende tanto Eu quanto Não-Eu, sendo estes distinguidos apenas na saída desse âmbito primordial.

Conclusões:Longe de esgotar a questão, a perscrutação cumpre, todavia, com o objetivo geral e os específicos, na medida em que desenvolve o processo de influência embrionária entre ambos os filósofos na década nefrálgica acima citada, e atingindo um alcance quiçá, maior do que a de uma pesquisa meramente introdutória como a proposta pelo PIBIC, fornecendo apontamentos que permitem maior aprofundamento em pesquisas posteriores.

Palavras-chave:Filosofia da Natureza. Eu- Não-Eu. Atividade. Absoluto.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador