Artigo

A NOÇÃO DE HECCEIDADE EM GILLES DELEUZE: AS RELAÇÕES ASSUJEITADAS DA INDIVIDUAÇÃO NO PROCESSO COGNITIVO

OKADA, Hiroshi1; SCHEER, Fernanda Pires Bertuol Mateus2;

Resumo

Introdução:Na modernidade, o estudo sobre o conhecimento voltou seu foco para o sujeito cognoscente. Da modernidade, herdamos algumas noções, dentre elas a dicotomia corpo e mente, como duas coisas distintas é situadas. Na contemporaneidade, a noção de dualidade mente/corpo e de mente situada são rompidas, é necessário analisar o contexto para descobrirmos como mente e corpo funcionam. Criamos então um personagem. Dotamos ele de uma hecceidade, conceito utilizado por Gilles Deleuze e Félix Guattari para designar uma individuação sem sujeito. Após aprender que mente, corpo e todo seu cenário compõe um corpo, nosso personagem aprende a retirar de seus cenários os acontecimentos, conceito que Deleuze e Guattari caracterizam como matéria prima para o conhecimento. Por fim, nosso personagem aprendeu sobre filosofia, ciência e arte, e como essas áreas trabalham com o caos, com nosso cenário.

Objetivo:Investigar as noções de corpo, mente e do conhecimento através da filosofia de Gilles Deleuze e Félix Guattari.

Metodologia:Pesquisa bibliográfica da obra Diferença e Repetição de Gilles Deleuze e de suas obras conjuntas com Felix Guattari Mil Platôs V. 1, Mil Platôs V.4 e O que é a Filosofia?

Resultados:Um personagem com tais características não seria compatível com um mundo regrado e territorializado. Ele vive mergulhado no caos, do qual nada é discernível. Com a filosofia, ciência e arte, ele aprende a discernir o caos-destruição do caos-criação.

Conclusões:Ainda é necessário pensar nesse personagem contextualizado, mesmo que caracteristicamente mergulhado em uma individuação sem sujeito, necessitam de uma identidade pra viver no mundo.

Palavras-chave:Deleuze e Guattari, Mente. Corpo. Teoria do conhecimento. Hecceidade.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador