Artigo

ANÁLISE REFLEXIVA SOBRE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA REALIDADE DOS JOVENS DA REGIÃO DE MARINGÁ, PR

BOCON, Jessica Thais1; SUZUKI, Gislaine Aparecida2;

Resumo

Introdução:Nos últimos anos, a educação financeira, é motivo de discussões e através do Decreto Federal no.7.397/2010, foi criada a Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF), que tem por objetivo contribuir para o fortalecimento da cidadania e apoiar ações que ajudem a população a tomar decisões financeiras mais autônomas e conscientes.

Objetivo:A pesquisa teve como objetivo realizar um levantamento bibliográfico sobre: a história da moeda brasileira.

Metodologia:Deu-se por início em levantamento bibliográfico em agosto de 2016, onde suas principais fontes de informações foram artigos, livros e alguns sites de instituições. Buscamos as informações de forma abrangente no site da Serasa Experian. Os dados utilizados são do mês de maio de 2017 onde o número de consumidores negativados atingiu o recorde histórico de 61 milhões, resultado de recessão econômica e desemprego na atual situação do país. O ponto principal do projeto era verificar como os jovens da região de Maringá estão sendo preparados e consequentemente utilizando tais conhecimentos no seu cotidiano; se são consumidores e/ou investidores conscientes; se fazem planejamento de gastos e são profissionais com independência e sucesso financeiro. Para tanto, foi aplicado um questionário estruturado, aos alunos do curso de Jovem Aprendiz.

Resultados:Em análise dos dados levantados sobre educação financeira no país, observa-se uma falha no sistema de ensino, que também tem envolvimento com a cultura nacional, onde o contexto financeiro não é debatido em casa. Introduzir a matéria de forma obrigatória na escolas conforme o Decreto Federal no.7.397/2010 propõe, seria uma forma de preencher essa lacuna da inexistência de conhecimentos aos jovens (conforme demonstrado na pesquisa de inadimplência na SERASA, a segunda maior fatia de inadimplentes é representando por jovens de 18 a 25 anos que somam 14,9% do total de endividados) criando assim, uma nova geração com bases que sustentem as suas decisões financeiras, contribuindo para a economia do país, com adultos mais conscientes, entre empresas e clientes mais sadios ao mercado.

Conclusões:Sugere-se uma avaliação sobre inserir oficinas ou uma matéria sobre educação financeira na grade do curso de Jovem Aprendiz, resultando dessa forma, em um preparo desses jovens para com sua fonte de renda.

Palavras-chave:Compras. Endividamento. Finanças. Situação financeira.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador