Artigo

A AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA DO SUL DO BRASIL

PALUDO, Ana Paula1; OLIVEIRA, Gracinda Maria D Almeida E2;

Resumo

Introdução:A automedicação é uma prática comum na sociedade que pode causar sérios danos a saúde do indivíduo.

Objetivo:Conhecer o perfil da automedicação entre estudantes de uma instituição provada, localizada no sul do Brasil, foi realizado um estudo do delineamento quantitativo, transversal e descritivo com objetivo de analisar a prática da automedicação entre universitários do curso de odontologia de uma universidade do Sul do Brasil.

Metodologia:Participaram da pesquisa 105 graduandos do curso de odontologia, que após a conhecimento sobre a pesquisa e assinatura do TCLE, responderam a um questionário auto aplicado, contendo questões de múltipla escolha sobre a prática da automedicação. Os dados foram tratados estatisticamente utilizando-se o programa SPSS 20.

Resultados:A maioria dos participantes tem entre 20 e 25 anos (53%) e são do sexo feminino (81%). Em relação à automedicação, 98,1% dos participantes afirmaram que já usaram medicamentos sem orientação ou receita médica nos últimos 12 meses, mas o tratamento por automedicação foi de 1 dose e de 5 a 7 dias (92,9%). As patologias mais frequentes que levaram a automedicação foram dor de cabeça (67,6%) e gripe ou resfriado (63,8%) e dor de garganta (44,8%).

Conclusões:Sendo possível constatar uma alta incidência na prática da automedicação entre os entrevistados, que pode ser explicada pela autoconfiança gerada por certos meios influenciadores, como internet, familiares e amigos até mesmo a sala de aula, uma vez que são acadêmicos da área da saúde, faz-se necessário conhecer se existe relação entre automedicação e curso de formação, além de campanhas que possam esclarecer sobre o efeito benéfico e maléfico desta prática.

Palavras-chave:Automedicação. Estudantes de graduação. Estudantes de odontologia.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador