Artigo

MONITORAMENTO MÓVEL DE PM2.5 EM CICLOVIAS EM CURITIBA, PR: UMA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO AR DO PONTO DE VISTA DOS CICLISTAS URBANOS

ROCHA, Sergio Lucas Santos1; BOLLMANN, Harry Alberto2;

Resumo

Introdução:Nos centros urbanos das grandes cidades, a população está afeta a poluentes atmosféricos que podem agudizar problemas cardiorrespiratórios. Entre eles, o material particulado muito fino, com tamanho de partícula menor que 2,5 micrometros. Essas partículas têm massa tão pequena que permanecem em suspensão na atmosfera e acabam sendo respiradas pela população, bloqueando a entrada do oxigênio na corrente sanguínea pela colmatação dos alvéolos pulmonares. Nos países mais desenvolvidos já há legislação fixando concentrações seguras desse poluente, mas no Brasil ele ainda não figura entre os poluentes atmosféricos monitorados pelas redes de qualidade do ar.

Objetivo:O objetivo deste trabalho é fazer um diagnóstico exploratório da qualidade do ar no município de Curitiba, considerando como indicador a concentração de partículas PM 2,5, a partir do monitoramento móvel feito nas ciclovias.

Metodologia:A medição da concentração de PM 2,5 na atmosfera foi feita com o auxílio de um medidor portátil (AirBeam), transmitindo os dados via Bluetooth a um smartfone. Após o monitoramento de cada trecho, os resultados foram carregados a um mapa interativo de qualidade do ar em página internet própria. A pesquisa sobre os efeitos do Material Particulado PM 2,5 sobre a saúde humana e o ambiente foi efetuada a partir de uma pesquisa bibliográfica.

Resultados:Como resultado, obteve-se o mapeamento da concentração de partículas PM 2,5 nas ciclovias e principais corredores viários de Curitiba. Os dados mostram que, em geral, a qualidade atmosférica indicada por esse indicador atende aos padrões internacionais. Entretanto, existem alguns pontos críticos que ultrapassam os limites de segurança para esse poluente, que devem ser estudados com mais detalhe.

Conclusões:O equipamento foi eficiente e sensível na medição de PM 2,5 e pode ser utilizado como indicador da qualidade do ar nos centros urbanos. No entanto, pela impossibilidade de calibração do equipamento frente a um padrão, seus resultados não devem ser usados quando se necessita maior rigor quanto aos erros de medição. O equipamento é barato, de pequeno porte e pode auxiliar aos ciclistas na escolha dos seus trechos de pedal, evitando locais onde a intensidade de tráfego produz zonas de acúmulo de poluentes que podem comprometer, de modo agudo ou crônico, a saúde humana.

Palavras-chave:Airbeam. PM 2.5. Material paritulado. Poluição atmosférica.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador