Artigo

AVALIAÇÃO ANTIMICROBIANA DE EXTRATOS DE FOLHAS DE EMBAÚBA OBTIDOS POR FLUIDO SUPERCRÍTICO E COM SOLVENTE ASSISTIDO POR ULTRASSOM

SANTANA, Alana Rubia Hotenio de1; HOSCHEID, Jaqueline2;

Resumo

Introdução:Cecropia pachystachya, conhecida popularmente como embaúba é utilizada na medicina tradicional com finalidades antidepressiva, ansiolítica, cardiotônica e sedativa. Estudos recentes têm buscado a comprovação de sua atividade antimicrobiana e antioxidante, e também buscam alternativas mais seguras e com baixa toxicidade para obtenção de extratos para a pesquisa de novos antimicrobianos.

Objetivo:Assim, o objetivo deste trabalho é investigar a atividade antimicrobiana de extratos de folhas de embaúba, obtidos pelos métodos de extração assistida por ultrassom e com gás carbônico (CO2) supercrítico, frente a cepas de Escherichia coli, Staphylococcus aureus e Pseudomonas aeruginosa.

Metodologia:Foram avaliados 5 extratos obtidos em diferentes condições de extração utilizando CO2 supercrítico, e 10 extratos obtidos por extração com solvente assistido por ultrassom. Cada extrato foi avaliado nas concentrações 10 e 30 mg/mL, em triplicata, empregando-se a técnica de difusão em ágar por perfusão. As cepas foram inoculadas a 1,0% em ágar Müller Hinton, a partir de um inoculo padronizado (25% de transmitância a 583 nm) em solução salina 0,9%. Após solidificação do meio, procedeu-se a perfuração de 5 orifícios, utilizados como controle negativo (Tween 80 e solução salina), controles positivos (sulfato de neomicina e amoxicilina), e para a aplicação dos extratos. As placas foram incubadas a 37 ºC por 24 horas e procedeu-se a leitura dos halos de inibição. A análise de teor de compostos fenólicos totais foi realizada em todos os extratos, em triplicata, segundo a técnica de Folin-Ciocalteau.

Resultados:Apenas os extratos obtidos por extração com CO2 supercrítico e, portanto, livres de solventes residuais, preparados a 30 mg/mL, produziram halo de inibição (6 à 9 mm) frente à cepa de S. aureus. Os demais extratos, obtidos pela extração com solventes, não apresentaram atividade antimicrobiana frente a nenhuma das cepas em estudo. Levando em conta que a extração por CO2 supercrítico não requer uso de solventes orgânicos, podendo apresentar-se como uma alternativa mais segura e menos nociva para a obtenção de extratos. Além disso, a presença de halo apenas no extratos obtidos com CO2 supercrítico leva a crer que a utilização de CO2 favorece a extração diferencial de compostos, fato confirmado através da técnica de Folin-Ciocalteau, onde estes extratos apresentaram um discreto aumento na concentrações de compostos fenólicos.

Conclusões:Levando em consideração que S. aureus são bactérias frequentemente identificadas em infecções e que o emprego de CO2 supercrítico resulta em extratos livres que resíduos tóxicos, este trabalho ressalta a relevância da utilização de técnicas diferenciadas para a produção de extratos vegetais na pesquisa de novos agentes antimicrobianos.

Palavras-chave:Embaúba. Staphylococcus aureus. Compostos fenólicos.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador