Artigo

CORRELAÇÃO ENTRE OS ESCORES MELD, CHILD-TURCOTTE-PUGH, LOK ÍNDEX, FIB-4, APRI E CONTAGEM DE PLAQUETAS COM A PRESENÇA DE VARIZES ESOFÁGICAS COM NECESSIDADE DE PROFILAXIA EM PACIENTES COM CIRROSE HEPÁTICA

VOLPATO, Talita Vieira1; TAFAREL, Jean Rodrigo2;

Resumo

Introdução:As varizes esofágicas (VE) formam-se como resultado das alterações hemodinâmicas existentes na hipertensão portal, que pode ser encontrada nos pacientes com cirrose hepática. A detecção da presença de VE nesses pacientes é importante, já que a hemorragia digestiva alta varicosa (HDAv) é uma complicação potencialmente fatal.

Objetivo:Determinar se a classificação Child-Turcotte-Pugh (CTP), os escores Model for End-stage Liver Disease (MELD), índice da relação aspartato aminotransferase/plaquetas (APRI), FIB-4, Lok Índex e contagem de plaquetas podem predizer a presença de VE com necessidade de terapia profilática (NTP), definidas como VE de médio e grosso calibre.

Metodologia:Estudo transversal retrospectivo em prontuários médicos eletrônicos de pacientes portadores de Cirrose Hepática acompanhados no Ambulatório de Hepatologia do Hospital do Idoso Zilda Arns de Curitiba-PR. De cada paciente coletaram-se dados referentes a classificação Child-Turcotte-Pugh e escores MELD, APRI, FIB-4, Lok Índex, contagem de plaquetas e os achados presentes no exame de Endoscopia Digestiva Alta.

Resultados:Cinquenta e um prontuários de pacientes previamente diagnosticados com cirrose hepática foram estudados (39 homens; média etária: 57 anos), sendo que trinta e nove pacientes (76,47%) apresentavam varizes com necessidade de terapia profilática (NTP). Apenas a contagem de plaquetas <126.000/mm3 (p=0,04) correlacionou-se com a presença de VE com NTP. Os valores de sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo, valor preditivo negativo e acurácia dessa variável foram, respectivamente, 60,0%, 71,4%, 55,6%, 75,0% e 64,7%.

Conclusões:A trombocitopenia correlacionou-se com a presença de varizes esofágicas com NTP nos pacientes com cirrose hepática. No entanto, os dados ainda não permitem eximir estes pacientes da realização da EDA para pesquisa de VE, visto que os valores de sensibilidade, especificidade e acurácia, apesar de significativos, não são elevados.

Palavras-chave:Varizes de esôfago. Preditores não-endoscópicos. Plaquetas.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador