Artigo

PERFIL ECOCARDIOGRÁFICO DOS PACIENTES INTERNADOS POR INSUFICIêNCIA CARDIACA DESCOMPENSADA EM HOSPITAL DE CURITIBA, PR

OLIVEIRA, Germano Garcia de Andrade1; MOURA, Lidia Ana Z3; KNOPFHOLZ, Jose2;

Resumo

Introdução:Insuficiência Cardíaca (IC) representa uma síndrome clínica decorrente de alteração estrutural ou funcional do coração que impede o suprimento sanguíneo adequado às necessidades metabólicas tissulares. É a via final da grande maioria das doenças cardiovasculares tornando a atenção a essa síndrome clínica cada vez mais importante. O exame ecocardiográfico fornece dados anatômicos e funcionais do coração, que auxiliam na confirmação diagnóstica e etiológica e na determinação dos modelos fisiopatológicos e hemodinâmicos de IC.Conhecer o perfil ecocardiográfico de pacientes com IC descompensada (ICD) permite um conhecimento melhor de prognóstico e de possíveis alternativas terapêuticas.

Objetivo:O presente estudo objetiva identificar, no exame ecocardiográfico, características funcionais e anatômicas relacionadas com pior prognóstico em pacientes que internaram na Santa Casa de Curitiba por ICD.

Metodologia:Trata-se de um estudo retrospectivo, descritivo e observacional, que objetiva conhecer as variáveis ecocardiográficas, farmacológicas, assim como o desfecho intra-hospitalar de pacientes internados devido à descompensação de IC. Foram analisados prontuários de pacientes internados por ICD aos cuidados do grupo de Cardiologia Clínica na enfermaria do serviço, de 2013 a 2016.

Resultados:A amostra estudada totalizou 231 pacientes e a mortalidade intra-hospitalar foi de 6,9%. A idade média da amostra foi de 57,8 ± 12,4 anos, composta, predominantemente, pelo gênero masculino (71,9%), com perfil clínico-hemodinâmico quente e úmido. O ecocardiograma dos pacientes estudados, evidenciou uma fração de ejeção média de 34,1 ± 13%, a média de volume do átrio esquerdo de foi de 50.2 ± 8,2mm e a pressão sistólica da artéria pulmonar, 47,8 ± 12mmHg. As medicações mais prescritas foram betabloqueadores (96,7%), diuréticos de alça (86,7%) e espironolactona (78,8%).

Conclusões:O paciente que interna pela descompensação aguda da doença, no serviço estudado, é do gênero masculino, tem idade média de 58 anos e possui um padrão ecocardiográfico de mal prognóstico, com FE reduzida e câmaras cardíacas dilatadas, associado a maior número de hospitalizações, sintomas mais intensos e com maior impacto na qualidade de vida, necessitando manejo hospitalar com terapia adequada. A continuação do estudo, de forma prospectiva, aumentaria significativamente o tamanho da amostra e a credibilidade das informações coletadas.

Palavras-chave:Ecocardiograma. Insuficiência cardíaca. Miocardiopatia.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador