Artigo

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS NÍVEIS DE HDL COLESTEROL NA MORTALIDADE PÓS-INFARTE DO MIOCÁRDIO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DE CURITIBA, PR

HOLLAS, Leiza Loiane1; NETO, Jose Rocha Faria3; OLANDOSKI, Marcia3; ERBANO, Lucas Olandoski3; NETO, Jose Rocha Faria2;

Resumo

Introdução:As doenças cardiovasculares são a principal causa de morbi-mortalidade em países desenvolvidos e em desenvolvimento. Embora esteja claramente demonstrado que níveis baixos de HDLc estão associados a maior risco cardiovascular, estudo recentes realizados com pacientes de alto risco cardiovascular demonstraram que a elevação de HDL com medicamentos falharam em trazer redução do risco cardiovascular. Portanto, questiona-se atualmente se HDLc seria realmente um fator de risco ou simplesmente um marcador do risco cardiovascular.

Objetivo:Avaliar o impacto do nível de HDLc obtido antes de um IAM na mortalidade total 6 e 12 meses pós-infarto

Metodologia:Coorte retrospectiva obtida na base de dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Curitiba, com os 7066 pacientes internados por IAM (CID I21) no período entre Janeiro de 2008 e Dezembro de 2015. Foram incluídos pacientes com ao menos uma dosagem de LDLc no ano que antecedeu o IAM. Avaliamos a mortalidade total nos 6 e 12 meses que sucederam o IAM no banco de dados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM). Para a comparação de dois grupos em relação a variáveis quantitativas foi usado o teste t de Student para amostras independentes. Os resultados da sobrevida foram descritos por curvas de Kaplan-Meier e analisados usando-se o teste de Log-rank. Para a análise multivariada foi ajustado um modelo de Regressão de Cox seguido do teste de Wald.

Resultados:No total, 1380 pacientes foram incluídos no estudo, sendo que 58,3% (n=805) eram do sexo masculino. A média de idade foi de 64,9 ± 11,3 anos e o tempo médio de seguimento foi de 10,7 ± 19,3 meses (0 a 103 meses). Em todo o período de seguimento ocorreram 440 (31,9%) óbitos. A média de HDL-colesterol basal foi de 43,5 mg/dL e 26% dos pacientes possuíam a média dos níveis acima de 50 mg/dL. Pacientes com idade ? 65 anos possuíram maiores níveis de HDL-C e piores curvas de sobrevida em relação a pacientes com idade < 65 anos e níveis menores de HDL-C (p<0,059). A análise multivariada ajustada para a idade não encontrou associação significativa entre os valores de HDL basal e o tempo de sobrevida dos pacientes

Conclusões:Os níveis de HDL pré-IAM não impactam na evolução pós evento agudo

Palavras-chave:HDL. Dislipidemia. Infarto agudo do miocárdio.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador