Artigo

A MÍDIA IMPRESSA E SUA RELAÇÃO COM A VIOLÊNCIA E VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA VILA TORRES

WITIUK, Gabriel Lopes1; SILVEIRA, Jucimeri Isolda2;

Resumo

Introdução:O presente estudo, sugerido por participantes do Fórum de Direitos Humanos de Crianças da Vila Torres, aborda o modo como a mídia impressa noticia os fatos ocorridos na Vila Torres, destacando-se aqueles que envolvem crianças, adolescentes e jovens.

Objetivo:analisar causas e método de abordagem em relação às violações direitos.

Metodologia:A pesquisa realizada foi do tipo exploratória e documental, efetuada junto ao site da Gazeta do Povo com levantamento de matérias publicadas no ano de 2016.

Resultados:A partir dos dados coletados é possível inferir que nos anos de 2014 e 2015 a comunidade Vila Torres teve diversas matérias publicadas no Jornal Gazeta do Povo fazendo referência à violência, computando ao final o assassinato de 6 (seis) jovens que estavam sendo acompanhados pela Rede de Proteção. Durante o período de tempo em que o jornal Gazeta do Povo foi estudado foram apresentadas matérias que, em grande parte, denunciavam e mostravam as situações de vulnerabilidade social pelas quais passavam os moradores que residem na Vila Torres. Contradizendo o esperado antes da análise, as diversas matérias que falam sobre situações ou pessoas que vivem na região da Vila Torres, não naturalizam a violência ou a violação de direitos humanos. O jornal também deu visibilidade às condições de vida da população residente na Vila Torres, por meio dos textos de José Carlos Fernandes e da matéria de Raphael Marchiori, com reforço ao empoderamento das mães e da própria comunidade. Nota-se ainda nos relatos um destaque às microviolências cotidianas vividas por crianças, adolescentes e jovens residentes da Vila Torres, destacando-se dentre estas as precárias condições de vida, subsistência e ensino, bem como a falta de perspectiva quanto ao futuro e superação da situação de vulnerabilidade social. A partir da análise das matérias principalmente as de Jose Carlos Fernandes, pode-se inferir que a organização das mães e a denúncia da violência sofrida por seus filhos foram uns dos grandes responsáveis por esse processo de pacificação dos conflitos na Vila Torres. Outro fator a ser destacado presente nas matérias é a ação dos técnicos que atuam em instituições públicas e privadas que atendem a Vila Torres no sentido de construção de redes que fortaleçam as pessoas que residem no território.

Conclusões:Por fim, pode-se concluir que, mesmo apresentando as microviolências vividas pelas pessoas que moram na comunidade Vila Torres no último ano (2016), a Gazeta do Povo, por meio do trabalho dos jornalistas eticamente comprometidos, colocou-se junto à comunidade na medida em que denunciou situações de vulnerabilidade social, deu notoriedade a projetos que buscam melhorar a situação vivida na comunidade e deu espaço e voz àqueles que lutam diariamente por melhores condições de vida num território marcado por desigualdade, violências, mas também por resistência e potencialidades.

Palavras-chave:Criança e Adolescente. Direitos Humanos. Violência. Jornal.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador