Artigo

CORRELAÇÃO ENTRE AS PARTÍCULAS DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS, DADOS CLIMÁTICOS E AFECÇÕES DE VIAS RESPIRATÓRIAS NA CIDADE DE CURITIBA, PR

BARROS, Ana Luiza Carrano Santos Quadros1; STORRER, Karin Mueller2;

Resumo

Introdução:A poluição atmosférica exerce comprovadamente efeitos sobre a saúde humana, exacerbando doenças ou contribuindo com o aparecimento delas. Existem estudos que comprovam que a poluição também tem impacto no aparecimento de infecções de vias aéreas.

Objetivo:Neste estudo, tivemos como objetivo a avaliação das doenças pulmonares dos habitantes de Curitiba, PR como um todo e sua relação com a poluição atmosférica, com enfoque nas amigdalites aguda.

Metodologia:Estudo ecológico observacional retrospectivo, realizado em Curitiba, no período de 2014 a 2016. Dados foram obtidos pelos Boletins de Qualidade do Ar referentes aos Indicadores de Qualidade do Ar (IQA), disponibilizados pelo Instituto Ambiental do Paraná. Foram 4 estações com IQA avaliadas e 7 poluentes. Os dados sobre temperatura e umidade relativa do ar, foram recolhidos no endereço eletrônico do Instituto Nacional de Meteorologia. As informações relacionadas às doenças pulmonares, foram solicitadas à Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba e fornecidas em formato de Classificação Internacional de Doenças (CID10) e frequência por mês. Como obtivemos os dados da secretaria somente após a entrega do relatório parcial, observamos que não havia dados robustos a respeito de DPOC. Sendo assim, modificamos a temática para o enfoque nas amigdalites agudas. Os critérios avaliados foram dias em que a qualidade do ar foi classificada como Regular ou Inadequado, UBS próxima a um IQA, dados climáticos relacionados ao dia com alteração de qualidade do ar e doenças respiratórias. Os resultados obtidos no estudo foram descritos por medianas, valores mínimos e valores máximos. A associação entre duas variáveis quantitativas foi avaliada pelo o coeficiente de correlação de Spearman

Resultados:Dentre as quatro Unidades Básicas de Saúde, a região do Boqueirão obteve o maior número de atendimentos. Dentre as patologias, as doenças agudas foram mais prevalentes que as crônicas. Além disso, esse número de atendimentos relacionou-se também com a qualidade do ar, ou seja, maior quantidade de pessoas quando qualidade do ar insatisfatória. Foi observado um aumento na concentração de poluentes com a diminuição da umidade relativa do ar. Notou-se uma distribuição uniforme do O3 no período avaliado, não relacionado a variações de temperatura. Houve correlação entre temperaturas amenas e aumento de poluentes como MPTS, PM10 e NO2, principalmente na região do Boqueirão e Ouvidor Pardinho. Com relação à amigdalite, houve aumento dos atendimentos, apenas com os poluentes MPTS e PM10. Também mostrou-se que há relação entre temperatura e umidade do ar mais baixas e a presença de maior concentração de poluentes

Conclusões:Concluímos, portanto que de fato a exposição aos poluentes atmosféricos tem efeitos diretos na saúde da população curitibana. O aumento da concentração desses poluentes correlacionou-se ao aumento de atendimentos médicos e de doenças respiratórias, em especial as amigdalites agudas

Palavras-chave:Poluição atmosférica. Doenças respiratórias. Temperatura. Umidade relativa do ar. Curitiba.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador