Artigo

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS, COM ENFOQUE EM RINOSSINUSITE AGUDA, E SUA RELAÇÃO COM A POLUIÇÃO NA CIDADE DE CURITIBA, PR E REGIÃO METROPOLITANA

RIBEIRO, Marina Ahniseret Magnani1; STORRER, Karin Mueller2;

Resumo

Introdução:A poluição atmosférica exerce comprovadamente efeitos sobre a saúde humana, exacerbando doenças ou contribuindo com o aparecimento delas. Estudos sobre esses efeitos trazem associações entre as concentrações de partículas em suspensão no ar e mortalidade por complicações respiratórias. Existe forte correlação entre sinusite e os níveis de ozônio e dióxido de nitrogênio (NO2), sendo o ele um potencial preditor para a inflamação e infecção dos seios paranasais.

Objetivo:Conhecer a prevalência da rinossinusite aguda em adultos em quatro Unidades Básicas de Saúde (UBS) em Curitiba e relacioná-la com os níveis de poluição atmosférica, umidade do ar e temperatura

Metodologia:Estudo ecológico observacional retrospectivo, realizado em Curitiba, no período de 2014 a 2016. Dados foram obtidos pelos Boletins de Qualidade do Ar referentes aos Indicadores de Qualidade do Ar (IQA), disponibilizados pelo Instituto Ambiental do Paraná. Foram 4 estações com IQA avaliadas e 7 poluentes. Os dados sobre temperatura e umidade relativa do ar, foram recolhidos no endereço eletrônico do Instituto Nacional de Meteorologia. As informações relacionadas às doenças pulmonares, foram solicitadas à Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba e fornecidas em formato de Classificação Internacional de Doenças (CID10) e frequência por mês. Como obtivemos os dados da secretaria somente após a entrega do relatório parcial, observamos que não havia dados robustos a respeito de asma. Sendo assim, modificamos a temática para o enfoque nas sinusites agudas. Os critérios avaliados foram dias em que a qualidade do ar foi classificada como Regular ou Inadequado, UBS próxima a um IQA, dados climáticos relacionados ao dia com alteração de qualidade do ar e doenças respiratórias. Os resultados obtidos no estudo foram descritos por medianas, valores mínimos e valores máximos. A associação entre duas variáveis quantitativas foi avaliada pelo o coeficiente de correlação de Spearman

Resultados:A mediana das temperaturas máximas no geral foi de 24,2ºC, em relação à temperatura mínima, a mediana variou entre 14,5ºC e 15,3ºC. A umidade relativa do ar, medida em três horários do dia, teve medianas de 87,3%, 85,2% e 65%. A mediana dos atendimentos nas 4 UBS por sinusite aguda variou de 2 e 70,5 nos três anos avaliados. Demonstrou-se um maior número de diagnósticos dessa doença quando as temperaturas estiveram mais baixas e os níveis do poluente PTS insatisfatórios. Os demais poluentes, não tiveram correlações significativas com o número de atendimentos. Existe uma relação significante estatisticamente entre o nível de MPTS e sinusite em 2 regiões da cidade, e entre o nível de PTS e a sinusite em uma. A temperatura e o número de atendimentos têm moderada associação para ambas na região da UBS Ouvidor Pardinho e boa na Boqueirão. A relação entre umidade relativa do ar e número de atendimentos por sinusite foi considerada significativa em três das quatro regiões

Conclusões:Conclui-se que os níveis de poluição atmosférica, temperatura e umidade relativa do ar têm impacto direto sobre doenças do trato respiratório como a rinossinusite

Palavras-chave:poluição atmosférica. Doenças respiratórias. Temperatura. Umidade relativa do ar. Curitiba.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador