Artigo

PAISAGEM PLANEJADA: AVALIAÇÃO INTEGRADA DA QUALIDADE PAISAGÍSTICA DE MODELOS DE REFERÊNCIA SELECIONADOS

OLIVEIRA, Herica Pereira Da Rocha1; ZANONI, Aline Bianca3; BARROS, Anderson Andrei de3; HARDT, Carlos3; SILVA, Keiciek Santos da3; TANAKA, Mariana3; PELLIZZARO, Patrícia Costa3; ROSE, Rafaela Sebrão de3; HARDT, Leticia Peret Antunes2;

Resumo

Introdução:Frente à aparente deficiência paisagística das cidades brasileiras, a pesquisa é fundamentada na apreciação de modelos de referência nacionais e internacionais.

Objetivo:Visando avaliar a efetividade de planos diretores municipais na melhoria da qualidade da paisagem urbana, seus objetivos específicos são: identificar fundamentos teóricos, conceituais e metodológicos essenciais à interpretação do tema e assuntos centrais da investigação; analisar padrões qualitativos dos modelos referenciais; formular, com base nos dados anteriores, diretrizes para os processos de projeto, planejamento e gestão democrática de espaços urbanizados.

Metodologia:Com estrutura multimétodos, o estudo consistiu em três estágios básicos. A primeira correspondeu à fundamentação de teorias e conceitos, por meio de revisão de fontes secundárias. A segunda compreendeu a avaliação paisagística – por técnicas diretas associadas a procedimentos indiretos – de cinco metrópoles nacionais, selecionadas por região do país – Norte: Manaus, AM; Nordeste: Salvador, BA; Centro-Oeste: Brasília, DF; Sudeste: São Paulo, SP; e Sul: Curitiba, PR. Compartilhadas com atividade de iniciação científica paralela, também foram adotadas as seguintes cidades de controle nas mesmas divisões geográficas: Norte: Palmas, TO; Nordeste: Aracaju, SE; Centro-Oeste: Cuiabá, MT; e Sul: Florianópolis, SC, além da escolha de Bogotá, Colômbia, como exemplo internacional, devido às suas destacadas experiências urbanísticas. A última fase contemplou a formulação de subsídios para a melhoria da paisagem urbana.

Resultados:Pelos resultados alcançados, observa-se que, além de os cenários analisados não corresponderem muitas vezes aos princípios planejados, há sérios problemas gerados pela monotonia dos elementos físicos e pelos reduzidos padrões construtivos dos fatores territoriais e socioeconômicos, além da falta de manutenção diagnosticada no âmbito dos componentes institucionais. Verifica-se, também, que as médias das valorações das cidades das regiões Nordeste e Norte são mais reduzidas, em contraposição às das regiões Sul e Sudeste. Por sua vez, o valor final nacional é quase nulo, mas ainda pouco superior ao registrado para o caso colombiano.

Conclusões:Diante dessas condições, conclui-se que, mesmo com a recente elaboração dos planos diretores municipais após o advento do Estatuto da Cidade, a valoração da qualidade da paisagem muitas vezes não é reflexo das suas diretivas, indicando a necessidade de ações mais efetivas nesse sentido.

Palavras-chave:Paisagem urbana. Planejamento e gestão. Avaliação de componentes paisagísticos. Modelos nacionais. Referências internacionais.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador