Artigo

PAISAGEM PLANEJADA: AVALIAÇÃO INTEGRADA DA QUALIDADE PAISAGÍSTICA DE CASOS ESTUDADOS

BARROS, Anderson Andrei De1; ZANONI, Aline Bianca 3; HARDT, Carlos 3; OLIVEIRA, Hérica Pereira da Rocha 3; SILVA, Keiciek Santos da 3; TANAKA, Mariana3; PELLIZZARO, Patrícia Costa3; ROSE, Rafaela Sebrão de3; HARDT, Leticia Peret Antunes2;

Resumo

Introdução:Considerando que, no Brasil, diagnostica-se a ocorrência, em geral, de problemas paisagísticos nas cidades, a pesquisa é voltada ao estudo de casos nacionais.

Objetivo:Com o intuito de avaliar a efetividade de planos diretores municipais na melhoria da qualidade da paisagem urbana, seus objetivos específicos são: identificar fundamentos teóricos, conceituais e metodológicos essenciais à interpretação do tema e assuntos centrais; analisar padrões qualitativos dos exemplos selecionados no país; estruturar, a partir das informações anteriores, diretrizes para os processos de projeto, planejamento e gestão democrática de espaços urbanizados.

Metodologia:Baseado em múltiplas técnicas, o trabalho foi executado em três fases principais. A primeira – fundamentação de teorias e conceitos – compreendeu a revisão de fontes secundárias. A segunda – avaliação paisagística com integração de método indireto a direto – foi realizada em cinco metrópoles, identificadas por região do país – Norte: Belém, PA; Nordeste: Recife, PE; Centro-Oeste: Goiânia, GO; Sudeste: Belo Horizonte, MG; e Sul: Porto Alegre, RS. Com compartilhamento com outra investigação de iniciação científica paralela, também foram adotadas as seguintes cidades de controle nas mesmas divisões geográficas: Norte: Palmas, TO; Nordeste: Aracaju, SE; Centro-Oeste: Cuiabá, MT; e Sul: Florianópolis, SC. A última fase correspondeu à estruturação de subsídios para a melhoria dos cenários urbanos.

Resultados:Os resultados indicam que, frequentemente, não há equivalência da situação real com das diretivas planejadas, sendo evidentes as deficiências geradas por condicionantes físicos com expressividade irrelevante e por fatores territoriais e socioeconômicos com padrões reduzidos. Também cabe destaque aos componentes institucionais, em especial pela insuficiente manutenção de condições espaciais. Constata-se, ainda, que as metrópoles das regiões Nordeste e Norte revelam as médias mais baixas, ao contrário do diagnosticado com as das regiões Sul e Sudeste, com o valor final do conjunto sendo quase nulo.

Conclusões:Essas características permitem concluir que a elaboração dos planos diretores municipais sob a égide do Estatuto da Cidade não efetivou o desenvolvimento da qualidade da paisagem, tornando imperativa a adoção de medidas com esse propósito.

Palavras-chave:Paisagem urbana. Planejamento e gestão. Avaliação de componentes paisagísticos. Casos nacionais.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador