Artigo

AVALIAÇÃO DAS FREQUÊNCIAS CARDÍACAS DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA AGUDA: SUBANÁLISE DO ESTUDO BREATHE

SANTOS, Alan Homero dos1; GUIMARÃES, Henrique Mostiack3; DAVID, Luka3; BAENA, Cristina3; MOURA, Lidia Ana Zytynski2;

Resumo

Introdução:A insuficiência cardíaca (IC) é uma síndrome clínica complexa e multifatorial e se caracteriza como a via final comum da maioria das doenças cardiovasculares conhecidas, o que a tornou nas últimas décadas uma das principais causas de hospitalização tanto no setor público quanto no privado dos sistemas de saúde de nosso país. Entretanto, havia a necessidade de se realizar um estudo multicêntrico semelhante aos que já se encontram disponíveis na literatura médica internacional e traçar um perfil clínico e epidemiológico da IC no Brasil, uma vez que a maioria dos dados disponíveis é limitada a registros unicêntricos, limitados somente aos pacientes cadastrados no sistema DATA-SUS, que apresenta uma série de limitações estatísticas, o que na maioria das vezes inviabiliza a utilização desses dados. Diante de tal cenário, surgiu o estudo BREATHE (Brazilian Registry of Heart Failure), organizado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), que por sua vez visa romper as limitações estatísticas sobre o perfil clínico da IC vigente na nossa realidade médica.

Objetivo:O objetivo desse trabalho é analisar a correlação da Frequência Cardíaca (FC) com a mortalidade dos pacientes acometidos pela IC, utilizando-se dados do registro BREATHE e observados com seguimento longitudinal de até 12 meses.

Metodologia:Foram incluídos nesse estudo 1.261 pacientes de todas as regiões do país que foram admitidos em qualquer centro participante do BREATHE durante o período de fevereiro de 2011 a dezembro de 2012. Os métodos de registro e os critérios de inclusão e exclusão dos pacientes foram previamente definidos pelo Departamento de Insuficiência Cardíaca (DEIC) da SBC, sendo que as variáveis categóricas foram analisadas pelo teste X² de Pearson e as variáveis continuas foram analisadas pelo método ANOVA. Foram avaliados 1148 pacientes (92,2% do total da amostra inicial), sendo que 454 destes sujeitos evoluíram a óbito ao final de 12 meses.

Resultados:Os resultados encontrados mostraram que pacientes com valores mais elevados da FC apresentaram menor número de mortalidade, tal achado representa um ônus estatístico significativo (p=0,09) e destoante da literatura médica internacional. A FC também foi analisada com outras variáveis importantes presente na condição clínica da IC como o gênero e a idade dos pacientes porém, não ocorreu significância (p=0,02).

Conclusões:Ao final do estudo percebe-se a importância do registro BREATHE para melhor compreensão clínica e etiológica da IC no Brasil. Entretanto, é importante destacar que a composição de seus dados, e consequente qualidade, apresenta falhas importantes como ausência dos valores de Fração Ejeção (FE), parâmetro importante para investigação e acompanhamento da evolução da IC, ausência de biomarcadores e ausência de monitorização dos centros de pesquisas envolvidos. Dessa maneira, a ausência de tais condições, que estão presentes nos estudos internacionais semelhantes, comprometem a qualidade do BREATHE sendo que a correção dos mesmos é de fundamental importância para que se conclua o propósito de sua criação.

Palavras-chave:Insuficiência cardíaca. Registros médicos. Hospitalização. Saúde pública. Brasil.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador